No Brasil, o aborto é um direito das mulheres nas seguintes situações:


Casos de Anencefalia


Risco de morte para mulher


Gravidez decorrente de estupro


MAS POUQUÍSSIMAS MATERNIDADES
prestam esse atendimento em toda a cidade do Rio de Janeiro.


MUITAS MULHERES NÃO SABEM QUE TÊM ESSE DIREITO,


MUITAS/OS PROFISSIONAIS DA SAÚDE SE NEGAM A ATENDER
e, quando atendem, são muitas as denúncias
de casos de abusos e violência obstétrica.


Para mudar essa realidade, criamos a lei "Pra fazer valer o aborto legal".



Queremos garantir o direito a um atendimento humanizado e sem violência às mulheres que estão em situação de aborto legal. Por falta de conhecimento e um mal atendimento, muitas mulheres acabam morrendo em abortos clandestinos que poderiam ser evitados. Podemos e precisamos transformar isso! Se é legal, tem que ser real!

Assine para mostrar aos vereadores que essa não é uma demanda apenas da Marielle!

0 pessoas já apoiaram esse Projeto de Lei.


Formação

Com o projeto, as equipes responsáveis pelo atendimento obstétrico receberão capacitação permanente sobre o atendimento humanizado seguindo as normas do Ministério da Saúde.


Informação

Todas as unidades de saúde do Rio de Janeiro deverão informar às mulheres seus direitos nos casos de aborto legal.


Atendimento

Todas as unidades da rede de assistênica obstétrica do município do Rio de Janeiro realizarão o atendimento nos casos do aborto previsto em lei, mesmo que os/as profissionais tenham alguma objeção político/religiosa em relação ao aborto.
52%
das mulheres que tentaram realizar um aborto legal entre 2013 e 2015 não foram atendidas.

94%
das mulheres que buscam aborto legal, sofreram estupro.
86%
das mulheres vítimas de estupro não conseguem fazer aborto legal.
é a posição das mortes em abortos clandestinos no ranking de causas da mortalidade materna.
Histórias Reais

Se você já teve dificuldades ou não conseguiu realizar um procedimento de aborto legal ou conhece alguém que viveu uma história assim e quer compartilhar para ajudar a fortalecer a campanha e impedir que isso aconteça com outras mulheres, clique no botão abaixo e conte pra gente.
Você pode dar seu relato anonimamente.





Faça o download do abaixo assinado físico para recolher assinaturas na rua!

Quanto mais assinaturas tivermos, mais forte o projeto chegará pra votação na Câmara.

Depois de recolher as assinaturas acesse esse site para digitar as informações de quem apoiou. :)





Eu sou, porque nós somos.
Um projeto da vereadora Marielle Franco (PSOL).

Marielle é mulher, mãe, negra, cria da Maré, defensora dos direitos humanos e socióloga. Nosso mandato quer ser um megafone das vozes das ruas.

Esse site foi construído com ajuda da voluntária designer Andressa Lemos. Quer fazer parte da nossa rede de apoio e compartilhar seus conhecimentos e talentos? Cadastre-se: